Apr 07, 2020 Última Atualização em: 12:25 PM, Apr 2, 2020

REGULAMENTADA A APOSENTADORIA ESPECIAL DO PORTADOR DE DEFICIENCIA

Categoria: Notícias de 2013
Acessos: 1212 times

REGULAMENTADA A APOSENTADORIA ESPECIAL DO PORTADOR DE DEFICIENCIA

A presidenta Dilma Rousseff assinou, em 03 de dezembro de 2013, decreto (8.145/2013) regulamentando a Lei Complementar nº 142/2013 que trata da aposentadoria à pessoa com deficiência filiada ao Regime Geral de Previdência Social.

O ato regulamentador define as condições diferenciadas para a concessão de aposentadorias por idade e por tempo de contribuição aos segurados portadores de necessidades especiais. Para ter acesso ao benefício, além dos requisitos necessários, o segurado deverá protocolar um requerimento administrativo junto ao INSS e passar por um processo de avaliação dividida em 03 etapas, quais sejam, a administrativa, a pericial e a social. Superada estas fases, o segurado obterá o beneficio almejado.

REGULAMENTADA A APOSENTADORIA ESPECIAL DO PORTADOR DE DEFICIENCIA

A presidenta Dilma Rousseff assinou, em 03 de dezembro de 2013, decreto (8.145/2013) regulamentando a Lei Complementar nº 142/2013 que trata da aposentadoria à pessoa com deficiência filiada ao Regime Geral de Previdência Social.

O ato regulamentador define as condições diferenciadas para a concessão de aposentadorias por idade e por tempo de contribuição aos segurados portadores de necessidades especiais. Para ter acesso ao benefício, além dos requisitos necessários, o segurado deverá protocolar um requerimento administrativo junto ao INSS e passar por um processo de avaliação dividida em 03 etapas, quais sejam, a administrativa, a pericial e a social. Superada estas fases, o segurado obterá o beneficio almejado.

A aposentadoria por tempo de contribuição do deficiente observará o nível de deficiência do segurado e por conta disto reduzirá o tempo de contribuição, conforme o grau atestado pela perícia do INSS.

Se na avaliação ficar consignado que o segurado detém deficiência grave, poderá requerer aposentadoria aos 25 anos de tempo de contribuição, se homem, e 20 anos, se mulher; se deficiência moderada, o requerimento do benefício ocorre aos 29 anos de tempo de contribuição, se homem, e 24 anos, se mulher; e se deficiência leve, o segurado poderá solicitar a jubilação aos 33 anos de tempo de contribuição, se homem, e 28 anos, se mulher. É importante ressaltar o segurado que verter contribuições como não deficiente terá este tempo computado proporcionalmente na sua aposentadoria.

Já a aposentadoria por idade é direcionada ao segurado que possua a deficiência na data do requerimento do benefício. Eles terão de comprovar que contribuíram, na condição de deficiente, por pelo menos 15 anos concomitantemente com a deficiência. Neste caso, haverá a redução de cinco anos na idade mínima exigida para a concessão do benefício. Ou seja, o homem passa a ter direito ao completar 60 anos de idade, e a mulher, 55 anos.

As inovações trazidas são válidas e devem ser comemorados por todos nós, pois vai de encontro à paz e justiça social. No entanto,  estas novidades trazidas na lei certamente farão com que milhares de demandas circulem no Poder Judiciário tendo como objetos principais a discussão dos critérios de definição e o grau de deficiência dos segurados.

Por LUIZ EDUARDO MAZULLO CERNICCHIARO - ADVOGADO DO ESCRITÓRIO DORNELLES & LANZARINI ADVOGADOS


Leia Também

Recomendações da Secretaria Estadual da Saúde para os idosos

Recomendações da Secretaria Estadua…

02 Abr 2020 Notícias de 2020

Recomendações da Secretaria Estadua…

02 Abr 2020 Notícias de 2020

Junto a OAB/RS, Federação busca antecipação de precatórios

Junto a OAB/RS, Federação busca ant…

27 Mar 2020 Notícias de 2020

Federação orienta entidades filiadas sobre a prevenção ao novo coronavírus

Federação orienta entidades filiada…

25 Mar 2020 Notícias de 2020

INSS irá liberar auxílio-doença para beneficiário sem a necessidade de perícia

INSS irá liberar auxílio-doença par…

20 Mar 2020 Notícias de 2020